Procedimentos Cirúrgicos

Colangiopancreatografia Endoscópica
A Colangiopancreatografia é um procedimento realizado em sala de RX através de endoscopia, com o objetivo de diagnosticar possível lesão (tumor), cálculo (pedra), estenose (estreitamento) no ducto pancreático e vias biliares, através de injeção de contraste nestes canais.

Este é um exame desconfortável, e normalmente o paciente deve ser sedado.

Papilotomia Endoscópica
A papilotomia é um procedimento realizado em sala de RX, com o paciente sedado, é realizado através de endoscopia, e tem o objetivo de desobstruir o ducto pancreático, seja por lesão (tumor) ou cálculo biliar (pedra).

Colocação De Próteses Biliares E Pancreáticas
As próteses biliares e pancreáticas são colocadas através de endoscopia em sala de RX, com o paciente sedado, tem a finalidade de desobstruir as vias biliares ou ducto pancreático.

Cirurgias Videolaparoscópicas
As cirurgias videolaparoscópicas empregam equipamentos e instrumentais sofisticados e de elevado avanço tecnológico que compõem um conjunto denominado videolaparoscópio. Com este aparato tecnológico passou-se a conseguir realizar diversos procedimentos cirúrgicos intra-abdominais, entre eles a Correção de Refluxo Esofágico, Hérnia de Hiato, Colecistectomia, Apendicectomia, até Gastroplastias (cirurgia de redução do estômago), sem a necessidade de abrir a cavidade abdominal para o exterior, como era realizado até então.

O segredo consiste em realizar pequenas incisões no abdome (de 04 à 05 dependendo da cirurgia), introduzir o laparoscópio ligado a uma fonte de luz e a uma microcâmera através das pequenas incisões. O laparoscópio então focaliza as imagens de todo o interior da cavidade abdominal, as imagens são colhidas pela microcâmera e enviadas ao monitor de vídeo, por onde toda a equipe cirúrgica se norteia para realizar a operação. Através das outras incisões pequenas, instrumentos longos são introduzidos para o interior da cavidade abdominal. Tais instrumentos são comandados pelos cirurgiões externamente, mas os movimentos internos de suas pontas são acompanhados pela equipe cirúrgica pelas imagens transmitidas ao monitor de vídeo.

Com as cirurgias videolaparoscópicas os pacientes têm uma rápida recuperação pós-operatória ante a dimensão do trauma da parede abdominal em vista da complexidade do procedimento que é realizado dentro do abdome. A cirurgia videolaparoscópica passou a proporcionar pós-operatórios muito mais rápidos e descomplicados, com internações hospitalares, no caso de Hérnia de Hiato, Refluxo, Colecistectomias, inferiores a 24 h.

As cirurgias por videolaparoscopia requerem os mesmos cuidados das cirurgias convencionais, em relação ao jejum, pois são realizadas através de anestesia geral, portanto os pacientes que se submeterem a qualquer tipo de cirurgia, necessita de oito horas de jejum, é muito importante passar por avaliação cardiológica e do anestesiologista, além de realizar exames de sangue para saber se está realmente apto ao ato cirúrgico, evitando transtornos.

Cirurgia do Refluxo Gastro-esofágico e Hérnia de Hiato
O Refluxo tem como sintoma típico a azia que também se denomina por pirose. É um sintoma comum e com freqüência incomoda muito, obrigando os pacientes a procurar um médico para resolução do problema. Na maioria das vezes há boa resposta ao tratamento medicamentoso, complementado por outras medidas gerais.

O refluxo gastro-esofágico, isto é, retorno do conteúdo ácido do estômago para o esôfago, é a causa de azia, tosse, rouquidão, dor no peito que pode ser confundida com angina.

O contato persistente do suco gástrico na mucosa do esôfago pode levar a inflamação, chamada esofagite.

A Hérnia de Hiato é uma alteração da estrutura anatômica, que coincide com o refluxo, consiste no deslocamento da parte superior do estômago, através do diafragma, para a cavidade torácica, isto acontece por incontinência do músculo (diafragma), provocando o refluxo do conteúdo gástrico para o estômago.

O tratamento cirúrgico do refluxo gastro-esofágico e da hérnia de hiato consiste em normalizar o diâmetro do músculo do esôfago em sua passagem do tórax para o abdome, somente com alguns pontos cirúrgicos.

Esta cirurgia realizada por videolaparoscopia, é mais simples que a via aberta, a dor no pós-operatório é menor, o paciente tem alta hospitalar no dia seguinte, e evita maiores complicações em relação à incisão cirúrgica abdominal.

Colecistectomia
A colecistectomia consiste na remoção da vesícula biliar devido à formação de cálculos (pedras) em seu interior. A vesícula é uma "bolsa" localizada sob o fígado, e é onde se concentra a bile. Os cálculos se formam por uma alteração dos componentes da bile. É ainda incerto o porque certas pessoas formam pedras e não há maneira de prevenir que as pedras se formem.

Os cálculos biliares podem permanecer silenciosos durante anos, ou se manifestar a qualquer momento, quando um cálculo migra para o canal de saída da bile, pode ocorrer a chamada cólica biliar, impedindo a passagem da bile, o que pode desencadear um processo inflamatório agudo, daí o nome colecistite aguda. Nessa bile retida podem crescer bactérias ocasionando um quadro de infecção. Nesses casos o tratamento é cirúrgico por videolaparoscopia, com a remoção da vesícula. Os cálculos biliares são detectados através de ecografia ou ultrassonografia abdominal.

A remoção da vesícula biliar não está associada a nenhuma disfunção digestiva na maioria das pessoas. A cirurgia de colecistectomia por videolaparoscopia é melhor para o paciente, pois a dor no pós-operatório é menor, o paciente tem alta hospitalar no dia seguinte, e evita maiores complicações em relação à incisão cirúrgica abdominal.

Apendicectomia
A apendicectomia consiste na remoção do apêndice, o apêndice é uma pequena estrutura que sai do intestino grosso, e se localiza no lado inferior direito do abdome. A apendicite (inflamação do apêndice) é causada por uma peque quantidade de fezes endurecidas (fecalito) que obstrui o apêndice.

A apendicite aguda é a causa mais freqüente de dor abdominal sendo tratada através de cirurgia. Pode estar acompanhada de sintoma de náusea, vômitos e febre. A cirurgia é realizada através de incisão localizada no abdome inferior direito com a retirada do órgão afetado. Hoje em dia já é possível realizar esta cirurgia por videolaparoscopia, com a diferença que a incisão abdominal é menor.

Gastroplastia: Redução do estômago por obesidade
A cirurgia de gastroplastia por videolaparoscopia é a cirurgia de redução do estômago para o tratamento cirúrgico da obesidade, onde somente uma pequena parte do estômago fica ativo, esta técnica só pode ser recomendada por seu cirurgião, pois não é aconselhável para alguns pacientes, dependendo do biotipo, entre outras coisas.

Gastroplastia por Banda: Colocação de anel no estômago por obesidade

O uso da Banda Gástrica Ajustável no tratamento da obesidade é menos invasivo que outros procedimentos cirúrgicos, não é necessário cortar ou grampear o estômago, sendo uma das significativas vantagens. Este sistema foi desenvolvido para ser utilizado por cirurgiões com habilidades laparoscópicas.

A Banda é fixada na porção superior do estômago, com o objetivo de diminuir o diâmetro da passagem dos alimentos, retardar o esvaziamento da bolsa gástrica e provocar maior tempo de saciedade.

A colocação da Banda somente é realizada por videolaparoscopia, necessita de um acompanhamento profissional após a sua colocação para ter um bom resultado da perda de peso. O paciente pode ter alta no dia seguinte à cirurgia.

Biópsia hepática:
A biópsia hepática consiste na retirada de um pedacinho do fígado para pesquisa de doenças, através de videolaparoscopia, apesar de ser um procedimento simples, é necessário ser realizado em centro cirúrgico e com anestesia geral. O paciente poderá ser liberado no dia posterior ao procedimento.

Cirurgias Abertas
As cirurgias abertas são aquelas realizadas pelo método tradicional, através de incisões (ou cortes) abdominais. Todas as cirurgias realizadas por videolaparoscopia podem também ser feitas pelo meio tradicional, mas nem sempre todas as cirurgias abertas podem ser feitas por videolaparoscopia.

Hérnia Abdominal
A hérnia da parede abdominal se caracteriza por uma saliência de uma porção de um órgão que se exterioriza através de um ponto fraco natural ou adquirido, existem vários tipos de hérnias e elas podem aparecer em algumas partes epecíficas do corpo, porém as mais comuns são as abdominais.

Elas podem ocorrer na região inguinal (junto da coxa), no umbigo ou em qualquer incisão de cirurgia que o paciente tenha sido submetido no passado. O conteúdo das hérnias que atravessa a musculatura da parede abdominal, é basicamente constituído por alças intestinais.

Outro tipo de hérnia que ocorre no abdome é a hérnia de hiato ( a qual já descrevemos no tópico anterior).

A hérnia deve ser corrigida cirurgicamente o mais rápido possível. A utilização de cintas, repouso e restrição física, são medidas apenas temporárias e que aumentam os riscos de complicações. O único tratamento definitivo para a hérnia é a correção cirúrgica.

Com o avanço da tecnologia, alguns tipos de hérnias já podem ser corrigidos através de videolaparoscopia, fale com seu cirurgião.

Hemorroidectomias
A doença hemorroidária ocorre quando há congestão, dilatação e aumento dos vasos do canal anal, extremamente vascularizado, se enchem de sangue, constituindo os mamilos hemorroidários.

A natureza exata da doença hemorroidária ainda não é completamente conhecida, mas sabemos que vários fatores são importantes no seu desenvolvimento:

- Dieta pobre em fibras, pouca ingestão de líquidos, o que acarreta no endurecimento das fezes e maior esforço para evacuar;
- Predisposição familiar, porém não – hereditária;
- Fatores desencadeantes ou agravantes como: obstipação intestinal, diarréia crônica, gravidez, abuso de laxantes;
- Prolapso (saída) anormal do plexo hemorroidário durante a evacuação, por deficiência de sua fixação muscular ou pelo esforço excessivo;
Uma vez manifestadas as primeiras condições para o aparecimento da doença hemorroidária, é rara a sua remissão. Sem tratamento a evolução da hemorróida é progressiva.

A classificação está relacionada à localização do mamilo hemorroidário no canal anal e à presença ou não de prolapso.

Mamilo hemorroidário interno está situado próximo do canal anal, podendo ser:

- 1º grau: quando ao evacuar ou aos esforços, não prolaba (não sai);
- 2º grau: quando ao evacuar ou aos esforços, exterioriza-se pelo ânus, porém retraindo-se espontaneamente ao cessar o esforço;
- 3º grau: prolaba à evacuação e/ou aos esforços e não retorna espontaneamente, necessitando ser reposicionado com a ajuda dos dedos para o interior do canal anal.

Mamilo hemorroidário externo está localizado na porção externa ou distal do canal anal.

Mamilo hemorroidário misto é quando há a presença dos dois tipos hemorroidários: interno e externo.

A cirurgia de hemorroidectomia se caracteriza pela excisão do mamilo hemorroidário, pode ser realizada através de várias técnicas cirúrgicas, depende do quadro clínico do paciente. A cirurgia deve ser realizada no hospital, o paciente poderá ter alta hospitalar no mesmo ou no outro dia após a cirurgia. A recuperação é rápida e dentro de alguns dias o paciente poderá voltar às suas atividades.

Ainda tem dúvidas? Escreva para nós.

Rua Martin Luther King, 740 | Londrina - Paraná | 43 3372.0055